O que é orçamento familiar e como organizar

29/03/2021
7 min de leitura
Equipe Dindim
29/03/2021
7 min de leitura

O orçamento familiar é essencial para o planejamento dos gastos da família. Aprenda como organizar as finanças para atingir os objetivos coletivos!

Entre muitas outras definições, família é um grupo de pessoas que vive junto e divide despesas e sonhos. E é justamente por isso que é tão importante envolver o núcleo familiar nas decisões e planejamentos financeiros.

Com um bom controle das finanças, sua família pode ir muito mais longe e alcançar mais objetivos pessoais e coletivos. 

Que tal juntar a galera pra aprender como organizar o orçamento familiar de um jeito que funcione de verdade?

O que é orçamento familiar

Orçamento é um plano estratégico para cuidar do seu dinheiro, considerando objetivos, ganhos e gastos futuros.

Um bom orçamento precisa ter um equilíbrio entre o presente e o futuro, ou seja, guardar dinheiro para as realizações a longo prazo sem se esquecer dos prazeres necessários do dia a dia.

A maior diferença do orçamento pessoal para o orçamento familiar é o fato de que o plano coletivo envolve mais pessoas e, assim, mais fontes de renda e mais despesas. Vale criar e acompanhar esse planejamento e controle financeiro entre casais, irmãos ou pais e filhos, por exemplo.

Para que serve o orçamento familiar

O orçamento familiar serve principalmente pra equilibrar as contas de uma forma que a família possa investir em seus sonhos: uma viagem, a casa própria, um carro, a educação de um filho, etc. 

Seja qual for o objetivo da sua família, tudo começa com uma pergunta: de onde virá o dinheiro? É aí que entra o orçamento. Ele é o mapa que vai te guiar até os seus objetivos.

Como organizar o orçamento familiar

Quando o assunto é orçamento, a palavra de ordem é “organização”. E ela é ainda mais fundamental quando estamos falando de orçamento familiar, já que a ideia é que as informações estejam claras o suficiente pra que todos os membros da sua família entendam o que está ali, sem exceção.

Bora lá? Saiba dindim por dindim como organizar a vida financeira da sua casa agora:

1. Anotar todos os gastos da família

O primeiro passo pra arrumar as contas é conhecer muito bem as suas finanças. E a melhor forma de fazer isso é criando e cultivando o hábito de anotar tudo, cada pequena movimentação de dinheiro. Comprou um cafezinho? Anota! 

A ideia é você ter uma noção mais realista dos seus gastos. Muita gente acaba se surpreendendo com esse exercício simples, porque descobre que às vezes gasta até o dobro do que pensava em algumas coisas. E mais: geralmente a grana está indo para comprar itens muito supérfluos no dia a dia.

Como os gastos são compartilhados, é essencial que eles estejam acessíveis pra todo mundo na sua casa ou no grupo. Ele pode ser tanto físico (em um caderninho, por exemplo) quanto em planilhas de gastos e aplicativos.

O que é importante anotar a cada gasto:

  • Descrição da despesa (feira, conserto do carro, cinema e etc)
  • Categoria (alimentação, saúde, lazer e etc)
  • Estabelecimento / local (onde o gasto foi feito)
  • Valor
  • Modo de pagamento (crédito, débito, dinheiro)
  • Quem pagou

A plataforma Planilhas do Google e o aplicativo SplitWise são ótimas opções gratuitas pra colocar esses gastos, porque podem ser compartilhados com as pessoas que você quiser.

Planilha de Controle de Gastos

Preparamos uma planilha exclusiva para você fazer o seu controle financeiro de maneira fácil e descomplicada. Baixe agora mesmo!

2. Sonhar

A função do orçamento é não ficar apenas tentando acabar o mês no azul, mas criar possibilidade de conquistar coisas mais satisfatórias pra sua vida.

  • O que você quer pra sua família?
  • Pra quando?
  • Quanto custam esses sonhos?

Esse é um exercício muito importante de busca de propósito e de união familiar em torno dos mesmos objetivos. 

Vale lembrar que além de atingir sonhos e metas, o orçamento familiar também é importante para manter uma reserva de emergência. Não é possível saber quando um eletrodoméstico vai quebrar ou quando uma mudança repentina de casa pode ser necessária, por exemplo. 

3. Planejar o orçamento familiar

Aqui é a fase em que transformamos os sonhos em objetivos e traçamos um caminho pra alcançá-los. Coloque seu sonho no orçamento e destine um pouco do seu suado dinheirinho nele todos os meses.

Se a grana está curta e mal dá pras contas, é preciso reduzir alguns gastos. Você e sua família podem começar a economia dentro de casa, prestando mais atenção nos gastos com mercado, água e luz, por exemplo. Veja 31 dicas de economia doméstica.

Estipule um valor máximo pra cada categoria de gastos, que podem ser deste “habitação, educação e transporte” a “essencial e supérfluo”. Tudo depende do estilo de planejamento que você preferir. O mais importante é não gastar mais do que você pretende em cada coisa e não se esquecer que, além de pensar no hoje, é preciso poupar pro futuro.

Método 60-10-10-20

Este método de orçamento prevê um gasto de 60% da renda familiar pra cobrir os gastos mensais fixos. 10% são destinados a objetivos de curto prazo (como trocar de celular ou fazer uma viagem). Outros 10% vão para objetivos de longo prazo (comprar uma casa ou juntar dinheiro pra aposentadoria ou pra faculdade). E os 20% restantes são para os gastos livres (lazer, presentes etc).

Método 50-30-20

No 50-30-20 você divide seus gastos em três categorias: essenciais, supérfluos e investimento.

Essencial é todo aquele gasto que você não quer ou não pode abrir mão de jeito nenhum, que podem ser tanto contas mensais quanto a terapia.

Supérfluos são as despesas que não são fixas, mas são importantes pra você, como jantar fora ou ir ao estádio.

E 20% da sua grana precisa ir diretamente para os seus cofrinhos, ou seja, pros seus objetivos de curto, médio e longo prazo. 

4. Dividir o orçamento familiar

No orçamento familiar, cada membro da família tem uma renda diferente, e isso deve ser considerado. Existem três formas principais de dividir as contas em casa.

Juntar o dinheiro

Mais comum entre casais, esse método considera que o dinheiro vindo das duas pessoas também pertence aos dois. Então, juntar o dinheiro consiste basicamente em tratar a renda conjunta como uma só. Mas cuidado: é preciso que cada um tenha uma grana pra gastar com suas próprias coisas!

Proporcional

Na divisão proporcional, cada membro da família contribui com a mesma porcentagem da renda. Ou seja, quem ganha mais, paga mais. Um exemplo: se vocês decidem que cada um vai contribuir com 50% do salário nas contas da casa e um ganha R$ 2 mil e o outro R$ 4 mil, o primeiro vai dar mil reais por mês enquanto o segundo vai entrar com R$ 2 mil. 

Igual

Esta divisão é feita independente de quanto cada um ganha. Nela, o valor do orçamento mensal é dividido igualmente entre as pessoas que sustentam a casa.

5. Perseverar no seu plano de orçamento familiar

Tão importante quanto se planejar é seguir o plano! Não adianta gastar um tempão fazendo orçamento e abandonar o controle financeiro depois de algumas semanas ou alguns meses. 

Seja realista com as suas metas, deixe dinheiro para aproveitar o agora com a sua família e tenha sempre em mente os seus objetivos maiores. Com o apoio das pessoas que você mais ama, fica mais fácil chegar lá!

Agora que você aprendeu sobre orçamento familiar, entenda mais sobre educação financeira infantil e ensine os seus filhos a terem uma boa relação com o dinheiro desde pequenos.

Ícone de categoria
Ícone de categoria

Gostou? Comenta aqui